Banner

Quem somos ?

O Conteúdoescola é um site voltado para a educação, cultura e cidadania .

Conheça o Conteúdoescola !

HomeColaboração do LeitorTextos AcadêmicosCostumes e Moda ao longo da História

Costumes e Moda ao longo da História


Moda – e costume - existem desde o tempo das cavernas, quando os grupamentos humanos eram diferenciados não só pela aparência física mas também pelo que recobria seus corpos.

Moda – e costume - existem desde o tempo das cavernas, quando os grupamentos humanos eram diferenciados não só pela aparência física mas também pelo que recobria seus corpos.

Com a civilização, homens e mulheres passaram a decidir sobre o que lhes era mais adequado vestir; de acordo com sua "tribo" e condição social, cabia determinada vestimenta, requintada ou simplória.

A evolução dos costumes – e da moda – sofreu com a circularidade que as caracteriza no movimento histórico do ocidente: do "libertinismo" pagão da cultura clássica, passando pelas crises de pudor do cristianismo recente, pelas crises de pudor do cristianismo tardio e chegando ao século XIX no auge da repressão: a palavra de ordem é esconder o corpo, principalmente o feminino (razão do pecado e da perdição da humanidade, com ainda pensa o catolicismo).

A civilização puritana escondeu tudo, menos a natureza humana: e as primeiras crises histéricas, femininas, tornaram-se fonte de inspiração para uma nova forma de ver (e ler) o mundo: a psicanálise.

De mãos dadas com ela (a psicanálise) surgiu a interpretação materialista-dialética da história, sem dúvida atrelada ao componente infra-estrutural – o econômico - dando passagem ao capitalismo, a Karl Marx e ao marxismo.

A industrialização, por sua vez, trespassou o século XX e mudou novamente a maneira de pensar das pessoas; as picuinhas e entreveros regionais do fim do século XIX desembocaram num grande conflito: a Primeira Guerra Mundial. Depois dela e em relação aos hábitos antigos, a moda enlouqueceu: os cabelos foram tosados "à la garçonne", as saias subiram, as cinturas desceram, surgiu o mundo das "melindrosas", característica dos anos vinte.


A segunda guerra mundial obrigou as mulheres a saírem de casa e trabalhar em fábricas, tudo pelo esforço de guerra: os homens na frente de batalha e as mulheres na produção de armamentos, munições, roupas e alimentos.

Cortaram os cabelos (o que tornou o cuidado mais prático), ganharam em agilidade e competência.

Terminada a guerra, as mulheres não voltaram para casa: tomaram gosto pela empresa e pelo trabalho fora do lar. Mudou radicalmente o comportamento da mulher: ao invés de "avanços" ocasionais, como cabelos curtíssimos, saias curtas e piteiras, ela se distanciou da feminilidade: aderiu aos tailleurs (conjunto de paletó e saia, com blusa por baixo, às vezes gravata) com ombreiras, fortalecendo o porte e "virilizando" a figura. Sapatos tipo Anabela, práticos e confortáveis substituíram os saltos finos de bibelô (bonitos de se ver, perigosos para andar), ampliando a autonomia feminina (podiam correr, pisar duro, tudo o que é impossível fazer de salto alto).

O ícone de beleza feminina dos anos 30/40 – Marlene Dietrich, o "anjo azul" – começou a perder terreno, trocada por um modelo mais simples...e eficiente: a "mulher moderna".

Mas os milhões de amantes platônicos de belezas "à la Gilda" – Rita Hayworth – trouxeram de volta ao trono, nos anos 50, (a moda é efêmera e circular) a mulher "violão" (curvas, curvas...), tendo a italiana Gina Lolobrigida como expoente.

Ressurgiu o modelo "homem machão casado com mulher feminina e submissa", esperando o marido em casa, no final do expediente, vestida com robe de nylon semi-transparente e um dry Martini (extra-seco, claro!!); algo assim como uma Doris Day...

Os vestidos "tomara-que-caia" de barbatanas realçando o busto com cinta para diminuir a cintura (de vespa), escancaravam uma sensualidade de mulheres que sonhavam com o casamento perfeito.
Já nos anos 60, cansadas de sorrir, fazer dry martinis, anunciar geladeiras na televisão - e sofrendo a concorrência (desleal) das secretárias simpáticas , solteiras e cocotas que quase sempre se tornaram amantes de seus maridos - as mulheres queimaram soutiens em praça pública e meteram – literalmente - os peitos na luta por seus direitos, fazendo desabrochar o movimento feminista: direitos pela igualdade nos postos de trabalho, nos salários, nas atitudes, divisão de tarefas e despesas da casa.

As saias ficaram minis, as roupas heterogêneas como camisetas, batas e calças jeans que trouxeram a liberdade sexual e a popularização de pílulas anticoncepcionais.

Homens de cabelos compridos ornamentados por flores "à la Hair" passeavam pelos anos 70 - hippies - de comportamento peculiar, reverenciando Geia, a mãe-natureza, defendendo um estilo de vida despojado e simples.

Daí para o surgimento dos movimentos ecológicos foi um passo.

Hoje, a diversificação tomou conta do mundo, das pessoas e da moda. Praticamente vale tudo; saias, calças, bermudas, calcinhas e calçolas; em qualquer horário, em qualquer comprimento, tecido, cor e padrão.

As pessoas estão mais livres, não respiram o ar pesado da moda escrava, restou a tendência, maneira com a qual os "antenados" gostam de se vestir antes que a moda se dissipe com pequenas adaptações para que todos possam compreende-la.

O mundo descobriu o holismo (a re-integração), a física quântica e é ultra "chic" falar em "mudança de paradigma"; o Feng Shui dita a decoração das casas - sempre em busca da harmonia e serenidade.

A arte, mais do que nunca, faz parte dessas mudanças: o cinema, a pintura, as artes plásticas, literatura, cada expressão com sua maneira singular de enxergar o cotidiano, o glamuroso, as diferenças, o exato momento da estória que estamos vivendo, com toda liberdade que os tempos de hoje nos permite.

0-0-0

Pequeno glossário para entender os preciosismos do texto:

- marxismo, Marx – doutrina político-filosófica baseada no materialismo dialético e que denuncia a exploração do trabalhador pelo capitalismo, propondo uma nova estrutura social, baseada na ditadura do proletariado. Seu autor, Karl Marx, é uma das maiores personalidades do mundo ocidental de todos os tempos.

- "à la garçonne" – corte de cabelo curtíssimo – do tipo "Joãozinho".

- melindrosa – nome pelo qual eram chamadas, nos anos 20, as moças que aderiram à moda de cabelos curtíssimos e saias idem.

- "tailleur" – costume feminino, correspondente ao terno masculino; era composto de saia justa, paletó curto e blusa; sendo simples e geralmente de cor escura, era a roupa ideal para o dia-a-dia da mulher que trabalha.

- salto "Anabela" – saldo baixo, inteiriço, deixando a parte posterior do pé um pouco mais alta que a parte dianteira; comum hoje em dias, em tênis.

- Marlene Dietrich – corista, cantora e artista de cinema dos anos 20 em diante; figura marcante, foi o musa dos jovens soldados alemães durante a Segunda Guerra Mundial (cantava a música Lilly Marlene) e inspiradora da moda dos anos 30/40. Seu filme mais famoso – o Anjo Azul, tornou-se sua marca registrada.

- "Lilly Marlene" – música alemã cantada por Marlene Dietrich e que se transformou no símbolo da Segunda Guerra Mundial para os soldados alemães – ao evocar, tristemente, a saudade de casa.

- "Gilda" – a mulher fatal do cinema americano dos anos quarenta; o papel foi feito por Rita Hayworth, loira de cabelos compridos e selvagemente cacheados.

- Rita Hayworth – uma das mulheres mais lindas do cinema norte-americano, estrela dos anos 40/50.

- Gina Lolobrigida – artista italiana de muito sucesso nos anos 50/60, marcada por uma silhueta do tipo "violão", com seios fartos e traseiro mais farto ainda. Povoou os sonhos masturbatórios de grande parte dos jovens e adolescentes dos anos 50/60. É, hoje, uma septuagerária rica e bem-humorada que mora na França, sua pátria de adoção.
- "dry-martini" – drinque muito apreciado entre os norte-americanos e feito com vermute branco seco, gim, gelo e azeitona verde espetada num palito;
deve ser servido em taça aberta (parecida com as antigas taças de champanhe); quanto mais gim na receita, mais seco é o dry Martini.

- robe – (ou "peignoir", para as cinquentonas) um roupão metido a besta (do francês, "robe de chambre").

- "Feng Shui" – estilo de proceder que promove a harmonização dos ambientes através do arranjo de mobiliário e utensílios domésticos com suas corres determinadas em posições previamente estudadas.

- Doris Day – atriz do cinema americano (também cantava) famosa nos anos 50/70, sucesso de comédias "água-com-açucar". Sempre foia certinha em tudo: no sexo, nas amizades, na família, etc.

- cocotas – um tipo de melindrosa (da gíria francesa "cocotte").

- "soutien" – quem não sabe o que é um sutiã? Do primeiro, a gente nunca esquece....

- "Hair" – peça norte-americana do final dos anos 60, onde todos os atores (muitos) permaneciam nus na platéia durante quase todo o tempo. Sucesso na época, em que a liberação sexual ainda engatinhava.

- calçola – o mesmo que calcinha, só que maiores e mais engraçadas.

- holismo – forma de olhar o mundo – e as coisas – de modo integrado, em contraposição ao modelo cartesiano clássico, caracterizado pela fragmentação e divisão da realidade.

- "chic" – "chic", é chique (elegante, "da hora").

- "mudança de paradigma" – mudança do modelo civilizatório, termo muito em moda, hoje, para caracterizar qualquer mudança, inclusive a preconizada por Thomas Kuhn, filósofo da ciência e introdutor do termo.

- glamuroso – sedutor; o que tem "glamour" (em francês, sedução).

- antenados - pessoas ligadas nas tendências e costumes do momento.

 

Última atualização em 04/07/2011

 

Monte a sua escola

Educação infantil, educação fundamental, ensino médio e muito mais dicas para você montar a sua própria escola.

Confira!

Colunistas

Confira nossos Colunistas e as suas opniões.

Confira...

Gestão escolar

Confira os modelos e planos para planejamentos de gestão escolar aqui no portal!

Confira!